Ainda sobre cidreiras: chás

 A Luciana, minha irmã, escreveu um comentário no post sobre “cidreiras”, e pediu que eu falasse sobre a diferença entre os chás. Vamos lá!

Capim-cidreira ou capim-limão (Cymbopogon citratus): Insônia, palpitações, gases, dores de cabeça.

A Verbena que produz o chá, em Inglês “Vervain” – o mesmo do floral de Bach,  é extraído da Verbena officinalis, espécie diferente da que é extraído o óleo essencial de Verbena (Lippia citriodora), o chá da Verbena officinalis é recomendado para debilidade orgânica, inflamações de garganta, problemas renais e hepáticos.

Lippia alba: problemas gastrointestinais, insônia, resfriados, calmante.

Melissa (Melissa officinalis): Sedativo, diurético, dores de cabeça. Encontrei no livro Plantas Medicinais, François Balmé (Hemus Ed.), a história sobre a famosa e poderosa Água de Melissa, encontrada nas farmácias, que é uma receita usada há séculos pelas carmelitas francesas, indicada como calmante, antiespasmódico e “antistérico” (sic).

Aqui está a receita que François Balmé, coloca em seu livro, eu ainda não fiz… terei que ir em busca das flores de melissa frescas!

 

Água de Melissa

  • 350 grs de flores frescas de melissa
  • 75 gr de casca de limão (só a parte amarela)
  • 40 gr de canela em pau
  • 40 gr de cravo
  • 40 gr de noz moscada
  • 20 gr de coentro
  • 20 gr de raiz de angélica

Macerar todos os ingredientes em 2 e 1/2 litros de álcool 70. Após 4 dias, filtrar com filtro de papel, conservando o líquido em um frasco bem fechado. A dose recomendada é 1/2 (meia!) colher de café em uma xícara de chá ou água quente.

Esta receita foi copiada do livro sem alterações.

 Foto: Cheryl Empey/sxc.hu

Em aromaterapia: cidreira, melissa, lipia, verbena…

  

Postei aqui a reportagem bem simples e clara da Bons Fluídos sobre a diferença entre o capim-cidreira (Cymbopogon citratus), a erva-cidreira (Melissa officinalis) e a lipia (Lippia alba).Em aromaterapia, a confusão entre estes óleos essenciais pode ser grande, por isso é importante estar atento ao nome botânico da embalagem e comprar de empresas idôneas. 

O óleo essencial de Melissa, a erva-cidreira,(Melissa officinalis), da família da Labiadas,  produzido na França, e norte da Europa, é caríssimo ($$$$$), raramente é vendido puro, é comum adulterá-lo com óleo essencial de Litsea Cubeba, Citronela ou Capim-limão. Possui cheiro de fresco de limão, coloração amarela clara. Tem propriedades bactericidas, sedativo potente, antiespasmódico, antivirótico, estimulante do chakra cardíaco (atua em estados de choques emocionais), aumenta a vitalidade, antivirótico, regulador do ciclo menstrual, hipotensivo, combate a herpes labial e herpes zóster, usado para tratamento de alergias (de pele ou respiratórios).  Cuidado: não pode ser usado em grávidas, e segundo Patricia Davis*, não deve ser usado em concentração maior a 1% pois este óleo muitas vezes produz a “crise de cura”, e pode agravar o sintoma antes de curá-lo.  Método de extração: destilação à vapor das folhas.

Cymbopogon citrarus

   

Capim-cidreira (Cymbopogon citratus ou Cymbopogon scoenanthus), capim-limão, ou erva-príncipe, tem óleo essencial de baixo custo ($), originado da Índia, é produzido e comercializado aqui, e muitas empresas utilizam o nome de Lemongrass (não me perguntem o por quê, capim limão é tão charmoso…), da família das Gramíneas, repelente de insetos, diurético, analgésico, auxilia nos problemas digestivos, combate a ansiedade, insônia, estresse, por possuir também, propriedades revigorantes. Combate parasitas e insetos moscas, pulgas, carrapatos, e também é fungicida. Indicado para peles e cabelos oleosas. A cor do óleo essencial pode variar de amarelo ao marrom “terra” (vejo com mais frequência tons de amarelo claro), aroma de limão, fresco. Usado há muito tempo na Medicina tradicional indiana pelo poder antiséptico e bactericida, e cheiro agradável, é ideal para aromatizar casas onde há paciente se convalescendo de doenças infecciosas, mas lembre-se: em pouca quantidade é relaxante e em grande quantidade é estimulante. Por ser de baixo custo é uma boa dica para usar na limpeza da casa. Método de extração: destilação à vapor do capim. Rendimento de 100 quilos produzem 1 litro de óleo essencial. Cuidado: com peles sensíveis e não use em crianças pequenas! 

Lippia alba

 O óleo essencial de Lipia, nativo da América do Sul, não há muitas empresas que o comercializam no Brasil,(encontrei apenas uma, que o comercializa com o nome de Verbena brasileira, mas minha busca foi limitada a Internet), afirmam que possui propriedade relaxante e anti-estresse, com baixo rendimento sendo necessário 11 mil plantas para extrair 1 litro de óleo essencial, não conheço a empresa mas vou comprar este óleo e depois conto a minha opinião para vocês. A Lippia alba é conhecida popularmente como “erva cidreira brasileira, erva-cidreira falsa, alecrim-selvagem, cidreira-brava, falsa-melissa” e usada na medicina popular como calmante, analgésica, febrífuga, antiinflamatória e nos distúrbios hepáticos. 

Ficou mais claro? Só para esclarecer mais um pouquinho, há o óleo essencial de Verbena (chamado também de Verbena Cidrada) que é extraído da Lippia citriodora, da família das Verbenáceas, natural do Chile e do Peru, produzido na França e norte da África, pela dificuldade de extração é um óleo caríssimo ($$$$$) de aroma refinado, sua cor é verde-amarelado, pode ser adulterado com óleo essencial de capim-limão, pois também tem aroma cítrico, fresco e herbáceo, como os outros, por isso é importante saber o nome botânico do óleo essencial que irá comprar! O óleo essencial de Verbena tem propriedades relaxantes, estimulante do fígado e da digestão, aumenta a concentração, diminue o estresse e a insônia. Usado em produtos para peles e cabelos oleosos, indicado também para peles manchadas e com acne. Não use durante a gravidez, irritante para peles sensíveis e evite se expor ao sol se usar este óleo essencial. Este é um óleo essencial caro e muitas vezes é vendido “adulterado” com óleo essencial de citronela ou capim-limão. 

Mas não confundam com o que chamam de Verbena indiana, extraído do Cymbopogon flexuosos, vendido por algumas empresas brasileiras com o nome de Lemongrass, mas não é tão caro como a Verbena “verdadeira” (Lipia citriodora). Não coloquei a foto do Cymbopogon flexuosos, pois é muito parecida com o Cymbopogon citratus. 

Para completar o grupo dos aromas frescos, “verdes”, que lembram limão, temos a Litsea Cubeba, também chamada de “may chang” ou pimenta chinesa, extraído de uma planta que tem o mesmo nome da família das Gramíneas, produzida na China, tem coloração amarelada, e o aroma é um pouco mais doce, preço acessível ($$). Tem propriedades antisépticas, estimlulante, digestivo, antidepressivo. Método de extração: destilação à vapor das frutas. 

Espero ter ajudado! 

* Patricia Davis em “Aromaterapia”, Ed.Martins Fontes.

“Ervas cidreiras: Você sabe a diferença?”, artigo da Revista Bons Fluídos

Veja  este artigo na Revista Bons Fluídos.

Na hora de preparar um chá calmante, qual destas plantas você escolhe: melissa, capim-limão ou lípia? E o sabor especial no suco, na sopa ou no pudim de leite, seria mérito de qual delas? Arriscaria responder a mais indicada para compor o perfume Chanel No 5? Pois, para quem achava que as ervas-cidreiras são todas iguais, aqui vão algumas saborosas novidades.

TEXTO: KÁTIA STRINGUETO

REPORTAGEM FOTOGRÁFICA: CAMILE COMANDINI

FOTOS: ROGÉRIO VOLTAN

As três plantas da foto podem ser chamadas de erva-cidreira. E é só amassar a folha de qualquer uma delas para entender o porquê. De todas exala um odor de limão (portanto a relação com a cidra, um tipo de limão-galego). O nome também se consolidou pelo uso: o conhecimento popular assim tem apresentado essas plantas por anos a fio, de geração em geração. E aí está a raiz da confusão. Nem toda erva que denominamos cidreira é igual. Elas têm propriedades e usos diferentes. Mas não é difícil desfazer a bagunça. Primeiro, a erva cidreira oficial não é capim. Também conhecida como melissa (de Melissa officinalis, o nome científico) ou cidreira-verdadeira, entre outros nomes, ela tem folhas ovais, rugosas e com bordas serrilhadas. Suas flores variam do branco ao amarelo e rosa. O capim-limão (ou capim-santo, capim-cheiroso, capim-cidreira ou cidró) é reconhecido por suas folhas finas, compridas e cortantes, que crescem, formando moitas. Cientificamente, foi batizado de Cymbopogon citratus. A terceira planta do grupo a merecer crédito é a lípia, ou Lippia alba. É a cara da erva-cidreira. Não é à toa que ganhou o apelido de ervacidreira-brasileira, ou falsa-melissa. Ajuda saber que é a maior (em altura e tamanho de folhas – de 3 a 6 cm de comprimento). A disposição das folhas e flores chama a atenção: uma de cada lado da haste. Identificadas pela forma, é só aproveitar o que cada uma oferece de melhor.

CIDREIRA OFICIAL

“A erva-cidreira, ou melissa, é a mais pesquisada e a mais calmante de todas”, explica Paulo Chanel de Freitas, professor de farmacognosia (ciência que estuda as plantas medicinais) da Universidade de São Paulo. O médico carioca Alex Botsaris, especializado em acupuntura e plantas medicinais, concorda. “Vários estudos demonstram como a melissa age sobre o sistema nervoso. É tranquilizante, antidepressiva. Além de ser tradicionalmente empregada contra insônia, dores de cabeça e distúrbios gastrointestinais”, lembra.

CAPIM-LIMÃO

Mais aromático e saboroso é o capim-limão. Por isso, ele se comporta melhor na culinária. “Os tailandeses o utilizam como um condimento em sopas e molhos”, conta a consultora gastronômica Neide Rigo, de São Paulo. O desempenho na saúde não faz feio. No Programa Farmácias Vivas, da Universidade Federal do Ceará, é empregado para o alívio de cólicas e para a ansiedade. Embora a ação calmante não tenha sido demonstrada em pesquisas, Botsaris enfatiza o efeito antimicrobiano. “Banhos de capim limão, fungicida, são ótimos para combater as micoses”, recomenda. “E o chá das folhas frescas é expectorante. Bom para eliminar secreções das vias aéreas.”

LÍPIA

Presente em quase todo o Brasil, a lípia tem uma ampla aplicação popular, muitas vezes por ser confundida com a melissa. A literatura científica demonstrou que a infusão de suas folhas é indicada no tratamento de desordens gastrointestinais, doenças respiratórias, dores de estômago e garganta e intoxicações em geral. Há diversos tipos dessa planta medicinal. “A lípia que contém citral como item majoritário entre os princípios ativos possui o aroma característico da erva-cidreira e é indicada para os mesmos fins”, explica o pesquisador científico Carlos Colombo, do Instituto Agronômico de Campinas. Mas um tipo rico em linalol despertou o interesse da indústria de perfume. “Esse é o mesmo componente extraído do pau-rosa para fazer o perfume Chanel No 5”, informa Colombo. “A planta poderá ser uma alternativa ao uso do pau-rosa, que está em extinção.” Por enquanto, ela consta da lista das dez espécies com maior potencial de utilização pela empresa Natura. E agora, com qual cidreira você vai fazer seu chá?

A tintura de ervas medicinais tem a mesma potência que a infusão. Um sachê de chá equivale a uma colherinha das de chá da tintura. “A vantagem dessa última é a praticidade. É abrir e tomar”, esclarece o médico Alex Botsaris. Para preparar a sua, misture 10 g de erva desidratada e moída (melissa, por exemplo) com 100 ml de álcool de cereais diluído a 96% (à venda em farmácias de manipulação). Coloque em frasco escuro. Agite uma vez por dia durante dez dias. Coe em filtro de pano e armazene em local protegido da luz. A tintura já pode ser utilizada em compressas ou para potencializar o efeito do chá.

VANTAGEM NA COZINHA

• Diferentemente das folhas de capimsanto, que são ótimas para sopas, mas devem ser retiradas do prato antes de servir, as de melissa são delicadas e macias. Pique-as em saladas de frutas, no recheio de cream-cheese ou utilize inteiras na salada de folhas. • Se a idéia é um suco, experimente capim-cidreira, manga e laranja ou cidreira, melancia e laranja. Aprovado pela equipe de BONS FLUIDOS. • A charista Carla Saueressig, dona da Loja do Chá, em São Paulo, dá a dica: misture erva-cidreira, cascas de limão, cascas de laranja e maçã seca em partes iguais. Faça um chá e coloque cubinhos de gelo.

 LIVRO “Fórmulas Mágicas – Como Utilizar e Combinar Plantas para o Tratamento de Doenças Simples”, Alex Botsaris (ed. Nova Era). “O Poder das Ervas”, André Rezende, (ed. Ibrasa)