Chá para estimular o olfato

A receita abaixo é dada por Jeanne Rose, em “O Livro da Aroamterapia”, Editora Campus.

Vale a pena experimentar, e desenvolver o olfato, experimente sentir o aroma de diferentes óleos essenciais, ervas, flores, plantas, comidas… o que ver pela frente e anotar suas impressões olfativas.

Você perceberá que sua percepção olfativa e vocabulário aromático irão melhorar a cada dia!

Chá da Jeanne Rose

  • 30 gramas de anis-estrelado
  • 30 gramas de meliloto*
  • 30 gramas de hortelã-pimenta
  • 30 gramas de casca de laranja
  • 15 gramas de cravo
  • 15 gramas de gengibre
  • 15 gramas de canela
  • 1 pitada de pó de pimenta-caiena

Misture as ervas secas. Guarde em um frasco ao abrigo da luz. Para cada xícara grande de água fervente acrescente 1 colher de sopa da mistura acima. Deixe ferver pelo menos por 5 minutos, coe e beba diariamente, saboreando e inalando o aroma.

Este chá não é recomendado para gestantes.

* Meliloto: (Melilotus officinalis) também conhecido como trevo-amarelo, trevo-cheiroso, tem propriedades anticoagulante, diurética, calmante, descongestionante, antiespasmódica, adstringente e carminativa. Cuidado: em grandes doses pode causar vômito. Tem origem nos climas temperados, produzido na Argentina, Espanha e Itália. Fonte: Wikipedia/ “Plantas Medicinais”, François Balmé, Hemus Editora.

Ainda sobre cidreiras: chás

 A Luciana, minha irmã, escreveu um comentário no post sobre “cidreiras”, e pediu que eu falasse sobre a diferença entre os chás. Vamos lá!

Capim-cidreira ou capim-limão (Cymbopogon citratus): Insônia, palpitações, gases, dores de cabeça.

A Verbena que produz o chá, em Inglês “Vervain” – o mesmo do floral de Bach,  é extraído da Verbena officinalis, espécie diferente da que é extraído o óleo essencial de Verbena (Lippia citriodora), o chá da Verbena officinalis é recomendado para debilidade orgânica, inflamações de garganta, problemas renais e hepáticos.

Lippia alba: problemas gastrointestinais, insônia, resfriados, calmante.

Melissa (Melissa officinalis): Sedativo, diurético, dores de cabeça. Encontrei no livro Plantas Medicinais, François Balmé (Hemus Ed.), a história sobre a famosa e poderosa Água de Melissa, encontrada nas farmácias, que é uma receita usada há séculos pelas carmelitas francesas, indicada como calmante, antiespasmódico e “antistérico” (sic).

Aqui está a receita que François Balmé, coloca em seu livro, eu ainda não fiz… terei que ir em busca das flores de melissa frescas!

 

Água de Melissa

  • 350 grs de flores frescas de melissa
  • 75 gr de casca de limão (só a parte amarela)
  • 40 gr de canela em pau
  • 40 gr de cravo
  • 40 gr de noz moscada
  • 20 gr de coentro
  • 20 gr de raiz de angélica

Macerar todos os ingredientes em 2 e 1/2 litros de álcool 70. Após 4 dias, filtrar com filtro de papel, conservando o líquido em um frasco bem fechado. A dose recomendada é 1/2 (meia!) colher de café em uma xícara de chá ou água quente.

Esta receita foi copiada do livro sem alterações.

 Foto: Cheryl Empey/sxc.hu