Parte II – Por quê é tão difícil emagrecer?

Esta é a continuação do post de ontem. 

Assumindo a responsabilidade sobre si mesmo

Imagine que dentro de você – que cronologicamente é um adulto – existe uma Criança e um Adulto.

Para ser saudável, fisica, mental e emocionalmente, sua Criança e seu Adulto devem se entender muito bem! A Criança é a fonte da criatividade, dos desejos e dos sentimentos e o Adulto tem o poder de decisão, ponderação e aprende com a experiência.

Quando a Criança domina a situação é porque o Adulto é permissivo demais. Neste caso surge a dificuldade de autocontrole, autoestima baixa. Um dos perigos nessa situação é que estabelecemos vínculo de dependência com “outro” adulto (pai, mãe, marido, esposa, filho, emprego), gerando imaturidade e ansiedade.

Se o Adulto é opressor e não dá espaço para a Criança temos rigidez e dificuldade de ter prazer, implicando em muitas doenças que isso acarreta, inclusive a depressão. No caso do seu Adulto ser “hiperdesenvolvido”, tome cuidado (!), pois pode estar cuidando de “CRIANÇAS” dos outros, que – aparentemente – já são bem “adultas” e se sentindo sobrecarregado e infeliz, e consequentemente, impedindo que os oustros cresçam.

Podemos oscilar também entre estes dois aspectos. Um exemplo é quando fazemos uma dieta super rígida, o Adulto controla tudo, nem uma caloria a mais! E a Criança fica sufocada, não pode relaxar e brincar, pois o o Adulto exerce pressão exagerada, e por ignorância, não imagina que a Criança precisa de espaço para relaxar (descontração, passeios, hobby…). Quando a Criança se sufoca em demasia, pode por tudo a perder comendo, por exemplo, todo o chocolate que vê na frente! Quem não conhece o famoso: “pé na jaca”, “perdido por 1, perdido por 1.000)? O maior problema aqui é a falta de flexibilidade (TUDO X NADA): “não estou completamente com o controle, então tudo está perdido!”, o que só aumenta a frustração diante do objetivo que (novamente) não foi alcançado.

Nas duas dinâmicas podem ocorrer excesso de peso: Criança mimada X Adulto permissivo e Adulto Opressor X Criança frustrada.

Quando o adulto e a criança conseguem estabelecer uma comunicação verdadeira e com amor, resulta em aconchego, segurança, desenvolvendo a autoconfiança e autonomia.

Reflita: Como é a relação Criança-Adulto dentro de você?  Você sabe o que faz sua Criança feliz? (observe suas fontes de prazer, paz, inspiração). E seu Adulto sabe acolher os sentimentos (ansiedade, mágoa, tristeza, frustração, raiva, medo) da sua Criança? O Adulto sabe como controlar e quando liberar os desejos da sua Criança?

Dica: O nosso “Adulto” interno aprendeu muuuito com todos os adultos importantes da nossa história de vida, é aí que as coisas se complicam um pouco mais! Se a “história” estiver muito difícil de ser digerida, talvez seja a hora de procurar um psicoterapeuta, um terapeuta floral, ou outro profissional que auxilie nessa digestão.

Foto: Glenda Otero/sxc.hu